Dos tempos primitivos à contemporaneidade, esta planta baixa delineia a história da educação. Como quem observa uma paisagem secular, quase contemplativo, o autor deixa escapar, a cada página, breves comentários sobre os principais pensadores, suas ideias e práticas pedagógicas.

Mulheres de água: tímidas ou lascivas. Rejeitadas ou assediadas. Fiéis ou volúveis. Avarentas ou perdulárias. Prudentes, perversas, esquisitas, amorosas. Ao percorrer esta coletânea de contos, o leitor tem a impressão de se ver diante de todas as mulheres e de todos os sentimentos do mundo.

Neste livro, você encontra histórias de vida e histórias para a vida toda. É um livro destinado ao sagrado encontro entre pessoas que se amam. Pais contadores de história. Professores contadores de história. Amigos cheios de disposição para aprender e ensinar.

Esta obra, de autoria de Gabriel Chalita e Mauricio de Sousa, conta as desventuras de um cãozinho que não tem dono, moradia, memória nem bando. Mas o que mais o incomoda é a ausência de um nome.

Gabriel Chalita apresenta, aqui, nove histórias de amor. O autor fala da paixão entre Eros e Psiquê, capaz de superar a fúria dos deuses do Olimpo. De relações que terminaram de modo trágico – como da de Anna de Assis e Dilermando de Assis e da de dom Pedro e Inês de Castro. Do amor de poetas por suas musas: Tomás Antonio Gonzaga e Marília de Dirceu; Dante Alighieri e Beatriz. 

Ao abordar a importância do discurso no tribunal do júri, o livro revela características que fazem dele uma eficiente ferramenta de convencimento; destaca, em particular, diferentes aspectos emocionais explorados por advogados e por promotores com o intuito de convencer os jurados da validade de seu papel e de suas argumentações.

Página 2 de 12

Publicidade